Era uma vez um desfiladeiro que separava duas aldeias
A separação era algo chata para os dois lados…! (mais para um lado)
Podia ser um muro, assim ouvir-se-iam sons de cada lado, mas não…era um desfiladeiro largo…até largo demais…pois tentativas de migração de um lado para o outro, foram feitas,…sem sucesso…!
O ambiente de cada aldeia prometia ser simples, humilde e bondoso…! A liberdade e amor voavam, como passarinhos inocentes nos seus largos voos…, em cada aldeia…!
…Até que um dia um jovem chamado Wall teve uma ideia…! Construir uma ponte…! Uns achavam uma aventura ambiciosa e corajosa, outros achavam a ideia perigosa mas possível, mas havia um homem, conhecido por Mil que estava completamente contra o conceito. Foi convocada uma reunião para debater a ideia.
Na sua postura fina e inteligente, lá dizia Mil:
– Já muitos tentaram passar de um lado para o outro e nunca conseguiram e agora surge a ideia de fazer algo impossível?
– Sim é verdade, mas não nos esqueçamos que enquanto dum lado há(via) interesse de transposição do malvado desfiladeiro, do outro lado não existia vontade de recepção…” – reagia Wall, preparado para o confronto de ideias.
– Devemos receber desconhecidos caro Wall? Mas e se tivermos uma surpresa pela negativa, como ficaríamos? Agora imagina com uma ponte…!” – questionava Mil, fiel aos seus argumentos racionais.
– Pois, mas agora imagina que teríamos uma surpresa pela positiva? Já viste o que perderíamos? E se já houve tentativas da parte “deles” em nos conhecer, não creio que venhamos a ser desiludidos…! – continuava Wall imperturbável.
– A única solução de termos a certeza de não sermos desiludidos é desejar que o desfiladeiro seja ainda mais largo…!
– Como conhecermos algo, sem nunca termos tentado caro Mil?
– A questão não é essa, é que… – e uma voz sobressaltou na multidão, não deixando o mil acabar o raciocínio:
– Devemos abrir nossas “janelas” ao mundo…! Sabemos dar mas não sabemos receber…! A ideia do Wall é original e deveras interessante! – de súbito irromperam-se murmúrios gritantes deambulando pela multidão e o Mil e Wall ficaram a olhar para o ser que tinha acabado de falar…!
– (…)
(thanks dear p.s. ♥)