Será esta a fórmula que tantos procuravam há muito? Mas afinal o que é?
É a fórmula da felicidade, segundo um psicólogo (um guru nesta área) americano, Jonathan Haidt.
Segundo uma investigação que este efectou, verificaram-se algumas ilações interessantes…! A mais complexa é a que ele chama de “lotaria cortical” (se referindo ao córtex cerebral). Diz que é preciso ter “sorte” como se nasce, isto é, apetência para ser-se feliz ou não. Tal automatismo, ou “falta de sorte” pode ser colmatado através de meditações, prozac ou terapia cognitivo-comportamental. Concluiu também que no lado esquerdo do córtex é onde se verifica os estímulos (positivismo) para alguém se sentir feliz; enquanto do lado oposto se verifica negativismo…! Um monge budista chamado Mathiew Richard (bioquimico) afirma que a felicidade é um dom, e requer tempo e esforço. Este usa a meditação para estimular o lado esquerdo do córtex, a fim de se sentir feliz…, confirmando, assim, a tese de que a felicidade se mede. O mesmo afirma que, a felicidade é um truque que pode ser aprendido, «o treino do cérebro na forma de meditação pode modificar radicalmente os níveis de felicidade».
Decifremos então a fórmula…:
Felicidade=genes + ambiente (social) + voluntarismo (vontade)
Ora, analisando por alto, reparamos que para sermos felizes depende dos nossos genes, do ambiente social que estamos inseridos, as relações sociais, e os actos voluntários que praticamos.
Creio que existem outros factores para florescer a felicidade, mas estes atrás ditos são notórios.
Jonathan concluiu também, e bem, que «geralmente os ricos são mais felizes que os pobres, os conservadores do que os liberais e os crentes mais felizes do que os não-crentes…».
Verifica-se assim, que todas “as escolhas que vamos fazendo ao longo da vida vão esculpindo a forma do nosso cérebro”.
(…)

A minha fórmula seria:
F=a (amar) + m (meditar) + a (amizade)
Amar para enchermos o nosso coração de bondade para depois “darmos” ao próximo (solidariedade), meditar para tonificarmos a paz na alma, através da nossa conversa do Deus, e amizade pois as relações sociais são muito importantes, mais do que a realidade existente.
(…)