(…)
…as forças acabam e o consciente hiberna…
…começo a ver imagens…estou a sonhar (de novo)… que bom…
…espero encontrar informação útil para a minha caminhada, espero poder voar…
…onde me encontro? observo à minha volta…está tudo branco…de repente um barulho…
…uma espécie de uivo, depois passos…
…ao longe começo a ver uma silhueta…mas muita pequenina…sinal que está muito longe…ou não?
…parece-me uma figura masculina…não consigo ver quem é…seu porte vai aumentando…estará se aproximando?…
…de repente atrás de mim começo a ouvir, também, passos…e depois do meu lado esquerdo…do direito…
…estou a ser cercado…de silhuetas, de figuras, de passos…
…estou confuso e com medo…a ansiedade aumenta…
…ainda não consigo ver que figuras são essas que vêm ao meu encontro(?)…
…cada figura tem um som diferente dos passos…
…esperando um ensurdecedor ambiente…mas não…
…tais passos são mudos com melodia…uns aconchegantes e outros nem por isso…
…as sombras no horizonte aumentam…já vejo os cabelos…do da frente, do da direita…são todas figuras masculinas…
…nova melodia surge…não me é estranha…suavizante…que linda ela é…ohhh, o sino…é o sino…do coração…querido sino…
…subitamente morrem as saudades em paz por ele…!…fecho os olhos para deixar entrar em mim a energia da melodia…estou a voar…estou livre, de novo…sinto o vento amaciando minha face…ohhh…vejo as tais silhuetas…estão lá em baixo…sim são elas…é isso…são os caminhos da rotunda…que devo seguir…tenho voar até eles…até às figuras masculinas para trocar palavras…mas não consigo…esforço-me de novo e nada…a melodia começa a esvair pelo infinito…começo a perder de vista as figuras…já só vejo pontinhos lá em baixo…a melodia foi-se…solidão surda e muda…um grito, ecoando não sei de onde, “perdoaaaarr”…faz-me abrir os olhos…ahhhh…assusto-me…as figuras estão à minha frente…estou rodeado de figuras…não as conheço…estou agitado…vejo figuras vestidas de branco e azul e outras de cor escura…preto e cinzento…umas sorrindo outras estáticas…a dado momento uma delas chega-se à minha frente…(eu tremo de medo)…e diz: “-Ofereço um caminho sofredor, duro,…ensinar-te-ei a simplicidade da vida, o perdão, …, vais sofrer…tens de sofrer, vou te apresentar a solidão, a doença, a tristeza…, mas no fim da caminhada terás direito a ficares no hotel de eternas estrelas…!”
…já recomposto e atento…tento questionar…mas tal figura já se foi…que rapidez…nem dei por ela…ou eu é que a mandei embora?…terei ignorado algo?…
…estando com a expectativa de uma nova apresentação de outra figura…começo a ouvir sorrisos por detrás de mim…oppss…afinal enganei-me…não são todas figuras masculinas…puxa…que beleza…que sensualidade…que perfume…que feminilidade… que vestido…coisas que a anterior figura não tinha…
…já à minha frente diz: “-Ignora a oferta anterior que não vale nada…aceita, sim, o prazer, paixão frenética, a riqueza, a fama, a conquista…tudo isso oferecido por mim…! Em todo o caminho terás isso…não terás que te chatear com doenças, nem com pieguices da vida…!” … estou algo hipnotizado…fascinado…um grito ecoa…”nãooo”…e recomponho-me…vejo a figura a ir-se embora…e eu com tantas perguntas…mas desta vez consigo e questiono: “-Desculpee…na sua oferta o que tem no fim da caminhada?”…tal figura pára…vira-se para mim rodando levemente seus cabelos graciosos…empurrando o perfume como flecha para meu nariz…de novo encantado…e chega-se-me uma resposta acompanhada de um sorriso finalizada de um piscar de olhos: “-Será surpresa…!”…de novo os cabelos agitam-se e a figura retorna a sua ida…
(…)
…solidão grita…não vejo mais figuras…eram tantas…e só duas vi com clareza…as outras? onde andam?…
…olho em todo o redor e nada…ando…como se não andasse…para tentar encontrar nova figura…novas palavras…mas nada…
…que dor nas minhas costas…eiiiiii…onde estou…ohh…acordei…estou de novo na rotunda…no centro dela…e as tabuletas em redor…olho para trás…para os lados…só tabuletas…as mesmas…cada qual com a sua cor…umas com uma espécie de mármore bonito e bem polido, outras mais rústicas, de madeira, simples…tudo na mesma…!
…de volta à dúvida…!…que devo fazer? fico-me a pensar…não sei para onde ir…mas tenho de caminhar…tenho de ir…tenho de decidir…vou ver de novo as tabuletas…uahuuu…este caminho deve ser fantástico…cheio de árvores de fruto…vejo ao longe morangos, pêssegos, … que fixe…vou já neste caminho caramba…mas alto, ainda falta ver os outros…as restantes tabuletas…uuuuhhh…que tabuleta … é de madeira, quase a cair…não se percebe bem o que diz…e só vejo pedras…árvores poucas … nenhuma com fruto…nada de morangos, com um ambiente nublado…hummm…não deve prestar…não me fascina…vou ver as outras…eiii láaa…que fixe…que tabuleta…que mármore…fabuloso…deixa lá ver o que diz…humm…caminho do prazer absoluto…hummm…cheira-me a algo familiar…já ouvi, ou li isso em algum lugar…humm…mas agora não interessa saber…que fixeee…só árvores…caminho raso…não vejo pedras nenhumas, … , muitíssimos frutos…vai ser este, …. vou nesse … subitamente o chão vibra…puxa…que tremor…meus pés picados pela vibração…que se passa?…um brilho contagiante…deslumbrante…quase me cega…lá do cimo…
(…)
… fico a pensar… tal brilho é da alma…eu reconheço-o…algo de importante se passa…que será? estou prestes a entrar num caminho fixe, …e acontece isto? que se passa…o chão ainda vibra…a luz torna-se mais forte…do nada passa um pássaro, como em câmera lenta, à minha frente…um pássaro branco…belo…perfeito…fico tocado…e… grito… “é isssooooooo…, já percebi…obrigado pela mensagem querida alma…”…mudança drástica…detentor de um prazer estrondoso…passo para envergonhado…olho lá para cima e da minha boca sai: “desculpa…”
(…)