(…)
Pensando na minha princesa tia, consigo vislumbrá-la lá no cimo, …deve ser para os lados da mente, da alma…ela sorri-me e certa calma vem ter comigo…como em câmera lenta…consigo apreciar seu sorriso eterno, alegria contagiante…! Não quero que este momento acabe…vou ficar por aqui…quero ficar…! Mas ela acaba por me dizer que tenho de continuar a caminhada, de descobrir-me, de me fazer à vida…! Um cavalo troia ataca meu coração com a mensagem: “estou com saudades da princesa Odete, estou mesmo…muitas…”! Compreendo a mensagem e resigno-me perante esta.
Quero ficar mas a princesa empurra, …, continuo a fazer força, mas ela é mais forte e empurra-me para longe, para o regresso do caminho…!
…caminho pausadamente, desta vez olhando para o chão, ignorando o ambiente em redor…quando num súbito momento ouço gritos…vejo vacas, ovelhas num monte…! Ambiente natural, bonito, a natureza a brilhar (sem maquilhagens)…gente alegre, com uma luz forte…! Esforço-me para descobrir identidade destas pessoas…mas não consigo, quando uma pessoa me desperta um forte estímulo que provoca uma espécie de fogo de artificio lá em cima…deve ser um turbilhão nas sinapses dos neurónios…! Tao alegres e eléctricos eles estão…e depois de tanto trabalho, ligações tenho uma resposta…é a minha avó feliz com o meu avô no campo…a arejar o terreno…falando da vida…da felicidade dos dois…!…tal tela alegre que sou presenteado faz-me esquecer um pouco a resignação de há pouco. Tento chegar à eles mas não consigo…nem preciso…sinto-me presente no meio do ambiente, tal alegria é-me, pois, familiar…que linda…que felicidade…o cheiro do campo…a brisa amaciando as ervas…onde estou(?)… de novo num sitio que quero ficar para sempre?…um sussurro surge-se-me no ouvido, humm, não apanho…não consigo…apenas fragmentos, apenas palavras…de repente um grito solta-se: “é isso, é este o caminho, o caminho das pequenas coisas, a felicidade habita na pequenez, …”
…Tal grito vibra nos meus pés…olho para o chão a pensar nesta vibração…e lembro-me do meu “eu”…que está lá em baixo…! é ele que grita?…
(…)