Recebi um texto, li e adorei. (thanks Jacky)
Achei no inicio interessante discutir aqui no Fontez…e depois de seguida pensei que talvez não fosse tão útil…mas no fim o cérebro lá sussurrou de novo e pelo cheirinho de uma mensagem da Rosarinho lá achei (de novo) muito interessante filosofar tal texto. Chama-se: “A pedra

O distraído nela tropeçou…
O bruto a usou como projéctil.
O empreendedor, usando-a, construiu.
O camponês, cansado da lida, dela fez assento.
Para os meninos, foi brinquedo.
Drummond a poetizou.
Já David matou Golias e Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura…

E em todos esses casos, a diferença não esteve na pedra, mas no homem!
Não existe “pedra” no seu caminho que não possa ser aproveitada para o seu próprio crescimento

Sem dúvida Rosarinho um texto formidável! O mesmo deverão pensar carissimos, creio!
Carpe Diem…