O sofrimento é algo que o Ser Humano não gosta de sentir e/ou enfrentar, haja ou não haja dor! Se falarmos de felicidade concerteza gostamos de conviver e falar com ela.
Acho que o problema de desprezarmos o significado do sofrer e seus efeitos como aprendizagem tem a ver com o ‘prazer-imediato’ que assola o Ser Humano.
Acredito plenamente que o mundo e o Ser Humano são simples, nós é que tornamos tal simplicidade em complexidade!
Se eu quiser saber conviver com o sofrimento tenho de “falar” com ele!
Não creio em situações espontâneas exceptuando a intuição.
É preciso fazer um esforço e qualquer conquista de uma pacata e/ou simples felicidade envolve sofrimento por mais pequeno que seja.
Acredito em “treinar” sofrimento sim…! Porquê? simples! Situações banais tais como: «tenho dinheiro e passo numa montra com o meu filho e este vê algo que lhe suga o interesse de manusear, mas que devo fazer eu? dar tal objecto ou fazer sofrer (no sentido restrito obvio) com inteligencia contando-lhe uma historia? Eu fazia-lhe sofrer, e se acontecesse de novo noutra ocasiao de outra cena (como por exemplo querer comer algo quando não pode comer pois está obsesso e faz mal) fazia igual…!» Isso sao cenas banais de como posso treinar, conviver, falar e compreender o sofrimento. Existem outras…
É preciso que a verdade e o amor estejam presentes para que tal convivio seja pouco doloroso. O sofrimento faz parte da vida humana, viemos para este mundo sofrendo e morreremos sofrendo. Apenas o Amor coligado à compreensão consegue suavizar os efeitos maléficos do sofrimento.
Para terminar, digo que devemos nos relacionar com o sofrimento e não apenas falar com ele quando nos aparece, não! Devemos falar com ele varias vezes:… “tenho dinheiro sacio (logo) o meu desejo? Nao! Tou sozinho sinto-me abandonado, vou para o meio de uma multidão? Não! Falemos com nós próprios, amemos o nosso “eu”! Estou cheio de fome mas vejo uma pessoa ao meu lado abandonada, pobre da vida e de coração, que faço? Acabo com o meu sofrimento? Não! Falaria com o sofrimento com amor e compreensão e dou o alimento a quem mais precisa…! Um dos entraves ao nosso relacionamento com o sofrimento é o egoísmo.Acho que alguma confusão se dá quando se compara sofrimento a, somente, assuntos relacionados com morte…! Mas não! Sofrer não é apenas “engolir” a morte de alguem conhecido/amado…! Sofrer é mais…muito mais do que isso…! E se tivermos tal compreensao e amor pelo sofrimento, tal compreensão e amor também estará forte aquando a morte de alguém amigo/amado…! Sim é dificil, e o que é dificil evitamos sempre até ao inevitável…mas não devia ser assim, deviamos amar o dificil, amar o sofrimento, amar o duro…tal como fez Jesus Cristo, Madre Teresa de Calcutá, e outros tantos Seres fantásticos que souberam conversar com o sofrimento e ver que o verdadeiro valor da vida e da alma não está apenas na felicidade. Rematando o fim do post, concluo parafraseando dear Maria:
o mais importante não é o que nos acontece, mas o que fazemos com o que nos acontece!!

(próximo post será sobre felicidade ou haverá um sofrimento IV? a ver vamos…!)