“sou uma resposta a uma pergunta de meus antepassados.”
(Carl Jung)

Sou mesmo eu?
Ou será que o “eu” ainda não é “resposta”? E se for “resposta”, é bem dada?

Agora falta saber, porque o “sou”?…Espero descobrir…!